Sou a mulher mais cansada do mundo. Fico cansada assim que me levanto. A vida requer um esforço de que me sinto incapaz. Por favor passa-me esse livro pesado. Preciso de pôr qualquer coisa pesada sobre a cabeça. Necessito constantemente de pôr os meus pés sob almofadas para que consiga continuar na terra. De outro modo sinto-me partir, partir a uma velocidade tremenda, tão leve me sinto. Sei que estou morta. Logo que pronuncio uma frase a sinceridade morre e torna-se numa mentira cuja frieza me gela. Não me digas nada, vejo que me entendes, mas tenho receio dessa compreensão, tenho medo de encontrar alguém semelhante a mim e ao mesmo tempo desejo-o. Sinto-me tão definitivamente só, mas tenho tanto medo que o isolamento seja violado e eu não seja mais o cérebro e a lei do meu universo. Sinto-me no grande terror do teu entendimento, meio por que penetras no meu mundo; e que, sem véus, tenha então que partilhar o meu reino.
Anaïs Nin
Chorei porque não era mais uma criança com a fé cega de criança. Chorei porque não podia mais acreditar e adoro acreditar. Chorei porque daqui em diante chorarei menos. Chorei porque perdi a minha dor e ainda não estou acostumada com a ausência dela.
Anaïs Nin
Tomara que a gente tenha maturidade suficiente para olhar pra dentro e reconhecer nossas falhas. Tomara que a gente consiga descartar o que não serve sem apego ou drama. Tomara que a gente possa olhar para a frente sem aquela mágoa azeda do que ficou para trás. Tomara.
Clarissa Corrêa
 Estou cansada de todos esses adjetivos, frases e versos. Cansada dessa vida insossa. Cansada dessa minha mania tola de acreditar que um dia você vai largar tudo e vem viver no meu mundo.  Estou cansada, da profissão, do amor, dessa família. E principalmente de mim. Estou tão cansada! 




Apenas deixei, e a partir desse momento enxerguei com outros olhos! 

Um tempo de abstinência dele, e o coração quer ter recaída agora?! Ah coração , não me envergonhe!
Por todas as histórias findas, antes de ser tornarem lindas, gratidão. Por tudo o que foi desfeito, pela falta de calor e jeito, gratidão. Por não ter o que eu queria, estar próximos apenas pela geografia, gratidão. Por ter dado certo por pouco tempo, contrariando a vontade do momento, gratidão. Por todo o amor genérico e sentimentos falsificados, gratidão. Por tanto ter sido tão pouco, apenas cinzas e o potencial do fogo, gratidão. Por todo afeto inútil, e lixo emocional, gratidão. Pelas histórias tão breves, predispostas a causar feridas, gratidão. Por todos os parcos amores não terem ficado em minha vida, gratidão. 
Pois meu coração estava livre e vazio pra você chegar doce e macio se instalando em cada vão.

Gratidão.
Marla de Queiroz


  
(♥)

E que o mais importante seja o amor: ele mesmo, em estado bruto até a sofisticação da evolução de ambos. Aquele que está além da dimensão homem-mulher, mas que abrange primeiramente o amor próprio, o amor à vida, o amor ao que nos fortalece, reforça nossa esperança, que nos amadurece e deixa gratos. O amor por mais um dia, por mais uma vitória, pela aceitação que supera o que antes era só uma maneira de admitir, mas que não nos conduzia à plenitude do que realmente a existência reservou para nós. Amor que não depende, agrega. Que não subtrai, soma. Amor que não “embarulha”, mas soa feito melodia doce. Amor que respeita a individualidade antes e apesar de qualquer coisa. Amor que nos faz enxergar o Outro como ele é sem as distorções e anestesias da carência ou quaisquer coisas que alterem nossa percepção de mundo. Sentimento que descobrimos sem medo, à flor da pele, cientes de que temos todas as ferramentas para superar conflitos, frustrações e que podemos evoluir também no que é desconfortável. Amor construído para ser saudável: sem pressa, ansiedade ou impulso. Tranquilamente o nosso coração abraça o Outro com toda a sua bagagem de potencialidades desenvolvidas e limitações. E o parceiro acha morada ali, naquele abrigo de paz. Não o único abrigo de paz, apenas mais um deles. Porque nossa vida é composta por muitas outras pessoas, paisagens, sensações que não podem ser excludentes quando decidimos nos unir. Amor de querer bem. Amor de se cuidar. Amor que sabe a hora também de deixar ir... 

Tem que ser simples para ser bom. 
Que assim seja. Que seja SIM.

Marla de Queiroz

"É como se cada célula do meu corpo tivesse um coração próprio, que, partido, tenta continuar bombeando sangue e com isso só faz agravar mais e mais a hemorragia que viver me tem sido. Sangrar sem sangue é dolorido demais."
Ana Suy
Mais encantamento, menos lamento, mais gratidão, menos não. Mais colo, mais abraço, mais toque, menos cansaço, menos nós pra mais laços. Mais amores, mais curas, menos dores, loucuras, mais ninhos. Mais carinhos, mais caminhos, menos atalhos. Mais afeto, mais maciez no olhar e generosidade. Menos rispidez nos atos, menos impaciência pra mais teto que acoberta da tempestade. Mais caridade nos gestos e inquietação no sentimento, mais rapidez em tudo que nos atrasa e nos torna lentos. Mais inteiros, menos metades, mais samba nas palavras pra dançar gente bamba, menos malandragem de quem só quer tirar vantagem. Mais suspiros profundos, mais respiros no mundo, menos caos. Quanto mais espero, menos tolero o pouco. Quero ser gente que fez, quero ser gente que ainda faz.
Lilian Vereza

Quero ser... Quero ter, PAZ!
E parece que aquela fotografia sabia que seria revisitada por diversas vezes para amanhecer o dia e acalmar os olhos da distância que não é lonjura nem espaço ou Tempo, mas apenas um momento de outra espécie de concentração. Pois se o amor esteve sempre ali presente no peito, aguardando este sujeito que deixou de ser estranho ou estrangeiro quando chegou com seu nome, sobrenome causando esta revolução. Mas agora a vida pede que a paciência não vá embora, que haja tranquilidade nas coisinhas mais sutis, que a lembrança e a saudade sejam um motivo para eu me sentir mais feliz. Pois se até aquela fotografia sabia que congelando os nossos sorrisos que compuseram o dia a dia, de amaciar asperezas ela seria, não há como negar nem temer, que algo nos escape ou diminua enquanto sonhamos com a nossa realidade acordada sob o manto amoroso de todas as frases da lua.
Marla de Queiroz

" Acho tão bonito casais que duram. Não importa o tempo, o que vale é a intensidade. Querer estar junto vale muito mais do que estar junto há 20 e tantos anos só por comodidade. Sei que estou falando obviedades, mas hoje vi um casal de velhinhos na rua.
Me doeu de uma forma linda. Acho que o amor, quando é amor, tem lá suas dores bonitas. A gente vê uma cena e o coração fica emocionado. Nos dias de hoje, com tanta tecnologia, com tanta correria, com tanta falta de tempo, com tanto olho no próprio umbigo e nos próprios problemas, com tanta disputa pelo poder, pelo dinheiro, por ter mais e mais, sei lá, acho bonito ver um casal de velhinhos na rua.
A mão, enrugadinha, segura a outra mão. A outra mão, por sua vez, segura uma bengala. Falta equilíbrio, sobra experiência. Falta a juventudade, sobra história para contar. Falta uma pele lisa, sobram marcas de expressão que contam segredos. Envelhecer não é feio. Em tempos de botox, a gente devia olhar um pouco para dentro. De si. Do outro. Do amor.
As pessoas não têm paciência para relacionamentos. Se está ruim elas simplesmente trocam. Não tentam, não se empenham, não lutam para dar certo. Não acho que a gente tem que aceitar tudo que o outro nos dá. Não acho que temos que cruzar os braços para o que está errado. Mas o amor exige uma dose de sacrifício. O amor não é descartável. O amor não pode ser jogado fora. Não dá pra fazer uma lipo no amor. A gente tem é que lutar por ele. Diariamente.
Os casais antigos são mais pacientes com os erros e os defeitos do outro. Não acho que mulher tem que ser dona de casa e aceitar um par de chifres. Mas acho que a mulher tem que entender que o homem é diferente. E vice-versa. A mulher quando quer ajuda quer agora e não daqui a cinco minutos. Diferenças de gênio, diferenças de gênero. E que bom que elas existem. E que bom que existem casais com cabelos bem branquinhos e olhares meigos para nos lembrar que o amor pode durar, sim."
Clarissa Corrêa
Pra descontrair.

Agora meu bem, só quero alguém, se esse alguém for capaz de compreender as minhas fragilidades, e que ele admire meus medos tolos. Que ele me faça sorrir com o coração. E que quando ele me disser que " me ama" que isso não pareça um grande pecado, mas um presente de Deus. Que eu tenha paz, e que seja a paz dele. Que sejamos, paz! Sem deixar de ser um pouquinho de inferno. Que seja quente, avassalador, cálido. Sutil. Que possamos ir para a cama, que nossas mãos permaneçam entrelaçadas. Que o respeito nunca falte. Que todos os dias, eu pense, sinta esse sentimento crescer...
Que eu seja a pessoa mais importante dele, pois ele será a minha! 

Que o futuro traga, que a alma cuide e que o amor, seja o meu maior bem... 



E eu aprendi a esperar, a respeitar esse tal "tempo certo" das coisas. Aprendi também que os meus erros passados, todos eles, foram por ter pressa. Aquele ditado que diz que a pressa é inimiga da perfeição está corretíssimo.  Eu tive tanta pressa,  pra te ter, pressa pra te amar, pressa pra ter filhos contigo e pra ter um ninho. E no fim,  tive também pressa pra te aprisionar.  E nessa de querer ter um infinito contigo, só recebi migalhas, restos de sentimentos, de momentos. Logo eu, que sempre detestei coisas mornas, me contentei com um café frio, com quartos de motel barato e com barraquinhas( com vizinhos 'maconheiros').
Mas, enfim... Cada experiência, nós trás e leva algo. E nessa de tentar viver um conto de fadas, me tiraram a coroa, mas em contrapartida me deram estrelas. 

Cansada, 
uffff! TCC, trabalho, pensamentos... Turbilhão de coisas aqui dentro e fora. 
Preciso de férias urgente! 


Nesse frio, daria tudo por uma conchinha, beijos e afagos! 

 
©Suzanne Woolcott sw3740 Tema diseñado por: compartidisimo