Maternidade! 
Então depois de trinta e poucas semanas se preparando, esperando ansiosa e planejando cada detalhe, você se vê sozinha e com um serzinho no colo que você ainda nem sabe muito bem como cuidar.

Você passa a gravidez toda gritando ao mundo que decidiu encarar o parto normal, que irá maternar com apego, amamentar exclusivamente em livre demanda até os seis meses e não dará doces até ele completar dois anos.
Aí vem a realidade e bate a porta na sua cara.
Infelizmente a cesárea foi a opção mais sensata, o leite secou e deu espaço às mamadeiras, aquela tia ofereceu brigadeiro escondido. E tudo isso doeu.
Porque dói quando criamos expectativas e por inúmeros motivos nada sai como planejado.
Dói quando, mesmo sabendo que vai ficar tudo bem, somos surpreendidas com a vida real.. Afinal, a maternidade está bem longe de ser conto de fadas.
Ser mãe dói e ninguém te contou, né?
Então vou te contar outra coisa: mais tarde, nada disso vai importar!
Cada sorriso do teu bebê cicatriza um pouquinho das feridas que a maternidade te causou e cada beijo de boa noite dele te fará grata por todos os detalhes que sairam dos trilhos.”
 Texto : @aninhamezzomo
Coisas que aprendi depois de ser mãe...
Qualquer dor , passa. Seja ela qual for.
A estética não é importante. O que importa é estar bem consigo mesma.
Você , nos , eu. Somos capazes de enfrentar grandes tempestades. FATO.
No puerpério, nos sentiremos um lixo, mas também renasceremos como pessoas, muito mais fortes.
Aprendi que aquele serzinho ali, não é anexo da mãe. que ele tem vontades e desejos . Aprendi a respeitar isso. A não me entristecer por isso. E saber que o meu objetivo nisso tudo é formar um cidadão do bem, ético e principalmente formar uma pessoa humana.
O outro , não passa do outro e só nós machuca se permitimos isso.
Os prazeres de antes , viram outros . Muita coisa muda. mudamos.
Descobrimos que nem sempre o amor é suficiente.
Que algumas pessoas continuaram as mesmas, independente do que desejemos delas.
Descobrimos também, que gente ferida só sabe ferir e cabe a nós escolhermos , o que queremos viver e que nessa escolha não deve ser reclamada.
Aprendi que reclamar não muda muita coisa e que gratidão tem que ser o primeiro e ultimo pensamento do dia.
Aprendi que muitas vezes um colo e afago é mais importante que uma noite de" kamasutra". Sexo ganha outros significados.
E por falar em significado depois de algumas vivencias , Fé, resiliência E DEUS tem outro sentido..
Hoje prefiro calar . Pq algumas pessoas são cobras e continuaram sendo. E Eu não tenho nada haver com isso.
aprendi a amar aqueles momentos sozinha. que estamos descabeladas , com roupa rasgada e com a face nua de qualquer mascara.
Aprendi que EU sou tão dona de mim.
Aprendi com minha filha muito mais de mim, que até mesmo dela. Aprendi a não aceitar nada que me agrida. e por ela aprendi que não preciso ser a melhor mãe do mundo. Preciso apenas ser um ser humano com Empatia.
Aprendi , que tudo que eu abdiquei por ela, se for meu, vai voltar .
Também aprendi que tudo tem um proposito e que compreender isso é absolutamente doloroso.
Aprendi que no fim , tudo dar certo e o final feliz chega pra quem pratica a gratidão e arregaça as mangas pra lutar pelo que deseja.

.





...O meu amor tem um jeito manso que é só seu
De me fazer rodeios, de me beijar os seios
Me beijar o ventre e me deixar em brasa
Desfruta do meu corpo como se o meu corpo
Fosse a sua casa...

Somos tão diferentes, mas tão completos quando estamos um ao lado do outro. 
Basta eu te ver, pra pensar tanta besteira. 
vê você ali com aquela lanterna  nas mãos, levou minha imaginação ao nível máximo de safadeza.  
Vontade de você 
 Saudade que grita na gente, que fica na pele , no desejo, no sexo.
Saudade que tá na pele, no sentir ...
Saudade dessa mão que me causa "Choquinhos"...
Saudade do nosso encontro...
Do olhar , do cheiro...
Saudade do teu beijo e das mordidinhas depois de enlouquecer e perder os sentidos.  ou encontrar quem sabe...
saudade das loucuras , dos denguinhos...
Saudade da " padilha"  |Essa só nós sabemos.|
Saudade de trepar, ser fodida e ser amada... Só você sabe fazer isso.
Saudade de ficar em seus braços , olhando as árvores. E você me perguntando : " Tá pensando o quê?"
Saudade do meu cachorro.
Saudade de sermos um.
Saudade... Em overdose.
Sou mesmo uma anti-heroína, aquela que não dá lição de moral no final da história. E que é até capaz de cometer alguns deslizes para ser feliz."
Helena – Mulheres Apaixonadas, novela de Manoel Carlos
Sobre términos e desfechos:
A saudade aperta, mas saber que estas bem , conforta. 
Fica bem. 
Eu continuo te amando.
Sobre as feridas que doem agora, mas que também vai passar...
Somos seres humanos e de alguma maneira nascemos programados pra nos adaptar, organizar, amar e muitas vezes sobre. Não nascemos cadastrados com formulas mágicas que nos dizem qual o melhor caminho a seguir. Se assim fosse seria maravilhoso, mas não é, né... E assim seguimos as nossas escolha e tirando de aprendizado tudo que é vivenciado nessa vida.  É difícil compreender algumas coisas, mas também não sabemos muito de nós , imagina do universo que é um outro ser. As suas infinidades de crenças e limitações. Cada grande incógnita de cada individuo. Na hora da uma raiva tremenda e até falamos coisas que nosso coração não sente . Mas, falhos  humanos que somos. Só aprendemos com os erros , não somos criados para pensar de maneira assertiva sobre aquilo que ainda está no grau de possibilidade. Somos do ato! Muitas vezes falho! 
Tudo isso na construção do seu ser, ou apenas por capricho do destino. 
Vai saber...  
Algumas coisas só são perceptíveis  quando saímos daquele lugar e assim conseguimos enxergar o todo. O todo muitas vezes grita na existência. Pq de alguma maneira parece que tudo que foi vivido foi uma grande mentira. E ai como saber o real ? Sendo a realidade tão abstrata ... jamais saberemos. E cada um viverá com a sua realidade particular. Sofrendo ou não. vivendo ou não e sendo aquilo que desejariamos...

 sabe-se lá...


Sobre você...

Acredito que você tenha sidoa minha maior decepção.
Será que o que foi vivido foi real? Hoje percebo que não. Você é dissimulado, constatei ao reler nossa conversa e ver a sua postagem de almoço juntinhos. Você estava se declarando ontem e hoje viaju com ela. Que sentimento em...
Mas enfim...
Seguimos!

A verdade é: EU SEMPRE ME BURLEI!
Eu não consig me ver feliz. Não me sint merecedora de estar feliz e com você não foi diferente. Eu tenho meio que um botão autodestruidor que transforma qualquer resquicio de felicidade em uma tristeza dolorosa e profunda. já ouvir falar de ppessoas autosabotadoras, elas são as piores de se conviver. Se burlasm tanto que se sentem culpadas até pela chuva que brota dos céus. Me pedoa por te machucar? Nunca fui muito boa com gente que me faz feliz. Que me tira do meu lugar de conforto na infelicidade. Me perdoa , por favor.
Perdoa por ter sido pequena.
Fecho os olhos e automaticamente te sinto. Algo tão verdadeiro ... É como se de alguma maneira você estivesse ali, acariciando meu corpo. Posso até mesmo sentir seu cheiro. O cheiro do teu corpo, do nosso sexo. Deve ser loucura minha, já que tenho mania de devanear. É uma saudade tõa solida que sinto de ti.
Abro os olhos e percebo que a realidade nem sempre é como nossos sonhos. E sigo a devanear sobre ti, enquanto vivo uma realidade completamente diferente!
Saudade desse olhar amendoado.
Saudade do calor da sua pele. 
Saudade do seu cheiro.
Saudade da nossa músuca...
saudade do nosso fogo.
Saudade ardente de você!
(...)Entre pernas, passos e tropeços a gente vai deixando algumas coisas pelo caminho e encontrando outras: o que não pode é se subtrair, o processo tem que ser de acréscimo, sempre. Nada é tão definitivo assim e a gente nunca é, a gente está. Sempre digo que quem se aprofunda nas coisas, quem mergulha, sabe exatamente o gosto que tem o alimento cru porque não se contenta com o que está pronto, posto sobre a mesa. A gente vai experimentando aqui e acolá, vai sentindo o ritmo, o tempo, tendo cuidado com algumas coisas e desrespeitando as placas de aviso de perigo de outras. A gente cai, levanta, chora, celebra. A gente vive. A gente se conhece através das reações dos outros a nós mesmos. A gente se trabalha ou estagna, regride ou evolui. A escolha é sempre nossa!
Marla de Queiroz
26 de junho de 2018

Dia que não vou esquecer nunca mais.Dia em que vivi o momento mais lindo e mais doloroso. dia que encontrei com uma fé que jamais imaginaria que teria algum dia na vida.  Minha princesa nasceu em um parto normal, enrolada no cordão umbilical, toda roxinha e quase sem vida. foram os piores 30 minutos da minha vida. até ouvir o choro dela, quase como um miado... singelo, como acho que ela sera na vida. Depois de tanto desmerecer Deus , eu tive nesses trinta minutos intermináveis a conversa mais sicera que já tive na vida. Pedi  a Ele  com toda a minha força que desse vida a minha filha. E Ee me fez ver que o amor já estava instalado aqui. nas horas seguinte pensei milhoes de merdas, tte é qu cinco horas depois recebi ela em meus braços, Ainda roxa e cheia de aparelhos monitorando. Não sei o que foi pior a possibilidade de perde-la ou perceber que agora eu tinha a responsabilidade maior sobre aquela vida. E eu me sentia tão desamparada diante da imensidão que tudo isso era.
Hoje são dez dias de tudo isso, ainda estou exclusivamente envolvida nos cuidados dela, ainda sinto uma solidão tão grande diane desse mundo tão denso que é a maternidade( as defensoras de uma maternidade idealizada vão me mattar por atribuir a maternidade a palavra densa.)mas é. É muito complexo. Os egos acabam diante de tudo que o puerpério proporciona. Acabou Tamires e nnsce  a mae de Maria júlia. vc tem noção como isso é assustador?
É importante salientar também que aparece uma força descumunal. você se percebe sabendo coisas que nem mesmo desconfiava que sabia. Eu dei o primeiro banho dela sozinha. quando terminei me acabei de chorar, por percber que esava sendo capaz de fazer aquilo e tantas ouras coisas sozinha e estava dando certo. O umbigo dela caiu com tres dias e hj esta seco e curado. e a mamae aqui esá tão orgulhosa de si.Não ive avo pra dar palpite, somente algumas titias loucas, e to conseguindo do meu jeito dar conta desse mundo que é um bebê. Choro todos os dias, sim ! As vezes de alegria por vê-la sorrindo ao mamar, outras de trsieza porque abdiquei de muita coisa pra assumir essa maternidade que não foi planejada. E por falar em mamar, esse foi outro sofrimentto. não ttive leite nos dias iniciais, sofri tanto eo bebe também, o leite que o pedriatra passou causava cólicas homéricas nela. mas depois de meio mundo de coisas que me falaram( mingau de café, milho, passar pente e etc. No desespero apelamos pra qualquer coisa) Um filho muda tano a gente.

acabo esse desabafo com lagrimas nos olhos. sim, agora sou assim... ate quando ela faz coco eu choro. ser mae nos deixa besta.
um filho nos muda de maneira tão significativa e tão estantanea.

Que venhm os proximos desafios.



Deixa eu te contar uma coisa que ninguém conta…
Sabe depois que o bebê nasce? o puerpério (pós-parto)? Ele dói. E não, eu não tô falando da cicatriz da sua cesárea ou dos seios rachados. Eu tô falando de dor emocional.

Sabe aquela imagem que a sociedade construiu de uma mãe radiante após parir? Ela não existe.

Não me entenda mal, é claro que você estará feliz com a chegada do seu bebê. É claro que você vai ficar horas observando aquele rostinho fascinada pela sua existência. Mas vai doer mesmo assim.

Sabe por quê? Porque parto não é só nascimento, é morte também. Se ali nasceram um filho e uma mãe, ali também morreu tudo que você era até então. Não se iluda, nada mais será como antes.

Eu não tô falando do cansaço que será seu fiel companheiro, nem das poucas e corridas refeições que você fará, ou ainda dos banhos sempre interrompidos. Isso é o de menos. O que mudará de forma irreparável é sua alma.

De repente você se pega desistindo de voltar ao trabalho, você percebe que não cabe mais nos antigos planos, e que nem gostava tanto assim da sua carreira. Só que, ao mesmo tempo, a rotina vai te massacrar e enlouquecer muitas vezes, quando ao fim do dia você perceber que ainda não escovou os dentes desde que acordou.

Seu corpo, antes tão admirado e tocado, agora apresenta formas estranhas e tocá-lo ou olhá-lo é a última coisa que você deseja.

Seu marido voltará a trabalhar antes mesmo que você descubra onde estão guardados os pijaminhas sem pé, e isso também vai doer. A solidão vai doer. E você vai querer colo, mas vai ser cobrada a apenas dá-lo.

A verdade é que a sociedade não tem empatia nenhuma pela puérpera. O que ouvimos é “você está saudável, seu bebê é perfeito, porque é que você pode estar triste?! Não seja ingrata!”. Mas o puerpério é ingrato.

Você ama enquanto sofre. Você agradece ao mesmo tempo que implora. Você quer fugir enquanto deseja mais do que tudo ficar exatamente ali.

Mas, minha amiga, não se sinta só. E saiba, isso também passa.

Não, você nunca mais será a mesma, mas acredite: você ainda agradecerá por isso e se orgulhará da fênix que toda nova-mãe é.

Texto: Bruna Estela
Ver aquela foto sua tão feliz a lado daquelas meninas , me  fez ver que você é melhor sem mim.
Que você seja feliz .
Continuarei com você no coração!
Um abraço
 
©Suzanne Woolcott sw3740 Tema diseñado por: compartidisimo