Sobre os meus maiores medos...

Madrugada, 30 de Maio de 2014.
Eu vou confessar sobre as minhas maiores dores: Vou começar pela frustração de não ter a mãe que sempre desejei. Durante muitos anos acreditei que ela fosse um péssimo ser humano. Hoje percebo que metade das coisas são maldade mesmo e os outros 50% é falta de cultura e personalidade. Eu sempre quis correr o mais rápido possível para longe dela, das pertubações dela, e de tudo nela que me doía tanto. E quer saber o meu medo, que eu fugisse tanto dela que me tornasse ELA. Ao ler algum livro, que não lembro a autoria , li que aquilo que fugimos, é o que nós tornaremos. Chorei na hora. Não podia me tornar metade do que ela era. Não podia! Jujuba teria que ter a melhor mãe do mundo, a melhor amiga, a cozinheira mais prendada. A mãe mais divertida. Me assusta a possibilidade de ser metade do que ela é. A segunda frustração é essa saudade que você me faz, meu "princeso". Eu sei que você tem sua vida. Mas eu queria você na minha e os nossos sonhos. Agora o ultimo e não menos importante... Amo muito a psicologia, mas estou de casamento cortado com ela. Estamos brigadas, não sei se por birra minha ou dela, mas ... A unica certeza é que tem me machucado essa profissão, e os percalços que ela enfrenta. Também, já não sei se a frustração é com a profissão ou com a Tamires que sempre reneguei. Essa que não teve infância, nem adolescência e que agora tem uma vida adulta medíocre E como me dói essa vidinha sem cor. 

Estou um poço de lamentação, né? Mas, decidi curtir a minha fossa, e só sair da caverna quando estiver com uma linda cicatriz. Eu desejo mudar minha vida em todos os aspectos, como agora não visualizo mudança, me fecho no meu casulo e fico ali... Amadurecendo e tentando ser alguém melhor.

0 permitiram-se:

Postar um comentário

Entrem e fiquem avontade!
Coloquem aqui os seus devaneios e confissões...
BeijinhO,
Tami

 
©Suzanne Woolcott sw3740 Tema diseñado por: compartidisimo