Eu quis compartilhar em vão o que eu tinha de mais solitário e só então pude compreender o que realmente é a solidão. Eu quis dividir o amor mais genuíno e só então descobri quão absolutamente é somente meu o que sinto. Eu quis me alegrar num momento de pura angústia para perceber que não se banaliza certos desconfortos. Eu quis esticar uma tristeza a perder de vista para entender que sentimentos também têm a hora de esgotar seu prazo. Eu quis amar num momento em que o Outro não queria ser amado por mim. Eu quis estar só quando o Outro quis amar somente a mim. Eu quis coisas que não pude obter, eu quis evitar emoções que não pude conter. E quiseram de mim o que eu não tinha ou queria dar. Então, não há do que reclamar: sou grata pelo sido, pelo ido, pelo que vingou e pelo que não tinha que acontecer.

“Sobrevivida”, fôlego novo, pronta para uma nova narrativa.

Desejo boas notícias!

Marla de Queiroz

0 permitiram-se:

Postar um comentário

Entrem e fiquem avontade!
Coloquem aqui os seus devaneios e confissões...
BeijinhO,
Tami

 
©Suzanne Woolcott sw3740 Tema diseñado por: compartidisimo