Já não consigo voltar. Tudo mudou comigo. Os seios apontam adiante, minha única direção agora. Mas algo, arraigado, não mudou: abandonar por medo de ser abandonada. Não suportando a menor ameaça, às vezes irreal, fujo desesperadamente, fujo com toda a pressa que o medo pode embutir numa pessoa, fujo com a força de alguém que tem atrás de si um leão faminto. Não suporto mais ser este prato cheio para Freud. Isto me faz viver com emergências demais, com sobressaltos angustiantes. Mas não consigo ficar, meu amor. Mesmo que eu volte, preciso ir para respirar fora do medo e me sentir a (falsa) heroína que escapou do perigo. Tudo sempre tão ameaçador o tempo todo. Alguns sentimentos puídos pelo tempo, outros recém-nascidos. O mar me abandona às vezes também e eu me abraço a esta poeira de chuva. O vento roça meu pescoço, o frio se aninha na espinha. Meus olhos estão cansados de tanto mundo. É preciso muito esforço para mirar o horizonte inteiro. É preciso muita imensidão e força no olhar para ver e enxergar holisticamente.

Mas estou cega.

Marla de Queiroz

0 permitiram-se:

Postar um comentário

Entrem e fiquem avontade!
Coloquem aqui os seus devaneios e confissões...
BeijinhO,
Tami

 
©Suzanne Woolcott sw3740 Tema diseñado por: compartidisimo