Por favor, não me rotula. Não diz que sou assim ou assado. Eu não sou sempre constante, não tenho sempre os mesmos atos. Posso até manter um certo padrão de comportamento, mas acho que todos nós somos assim. Por favor, não faz isso comigo, não faz isso com você. Me surpreendo com minhas próprias novidades a cada dia, por isso acho que não mereço uma faixa colada na cabeça com uma ou duas palavras. O rótulo é como uma cruz que a gente carrega. É como uma pedra no sapato, pois você pode nem ser daquele jeito, mas como algum dia alguém disse que você era assim as coisas automaticamente se transformaram naquilo.

Não entendo por qual motivo buscamos uma palavra para tudo. Existem coisas sem nome. Sentimentos, ações, pensamentos. E tudo bem, sabe? Tudo bem mesmo. Nem tudo precisa ser nomeado ou registrado. Se você não sabe o que dizer, não diga nada. Ou então invente uma palavra bem esquisita. Só não vale dizer qualquer palavra pronta que vem na cabeça, pois o que a gente diz às vezes magoa os outros. 

Procuro ter cuidado com o que falo, pois sempre penso que quem fala esquece rapidinho o que disse, já quem ouve, não. Às vezes, as palavras precisam ser estudadas, acarinhadas e depois, sim, ditas. Não é bonito dizer tudo que a gente pensa, pois de vez em quando pensamos coisas bem feias. Por outro lado, tem gente que se protege de escudo e armadura e se prepara para uma luta inexistente. Não precisa ficar sempre na defensiva, sempre achando que fez errado ou que algo vai te atingir. Relaxa. Encara as palavras como elas são, encara as coisas como elas são. Não precisa ver coisa onde não tem, não precisa ter alguma reação mais nervosa ou violenta, não precisa nada disso. Os mal entendidos normalmente ocorrem por dois motivos: uma pessoa não soube se expressar direito ou a outra pessoa não soube ouvir direito. Conflitos ou desentendimentos bobos podem ser evitados se houver um pouco mais de paciência e tolerância, coisa rara hoje em dia. Queremos tudo pra ontem, pra já. E não somos tolerantes com os erros dos outros, apenas com os nossos. Somos egoístas ao extremo. Não damos uma chance para o outro, somente para as nossas tentativas. Mas ninguém vive sozinho. Precisamos das outras pessoas. Por isso, precisamos exercitar a paciência e a tolerância.

Nem todo mundo está na mesma sintonia que você. E isso não é errado, é o jeito de cada um. Não adianta você querer fazer tudo ou querer que o outro queira o que você quer. Ninguém pode ser forçado a nada. Seja a ler um livro, concordar com uma ideia ou mudar. A gente muda quando (e se) quiser. Você não pode querer que as outras pessoas sintam como você, sejam como você, que as coisas tenham a mesma importância para os outros que têm para você. Esse é o grande desafio da vida. Boa sorte.

Clarissa Corrêa 

0 permitiram-se:

Postar um comentário

Entrem e fiquem avontade!
Coloquem aqui os seus devaneios e confissões...
BeijinhO,
Tami

 
©Suzanne Woolcott sw3740 Tema diseñado por: compartidisimo