Definitivamente, viver não é fácil. Como somos frágeis, meu Deus. E como as coisas mudam rápido. Não dá tempo para pensar, para juntar o que restou. Voltar atrás é impossível. Ah, essas impossibilidades da vida. Elas nos pregam peças e fazem lágrimas descerem pelo rosto afora.
Ah, se pudéssemos mudar o passado para o presente ser totalmente transformado, renovado, remendado. Mas não. Não podemos retroceder, tampouco buscar os cacos e soldar tudo com cola resistente. O jeito é, vez por outra, olhar para trás com uma certa melancolia, uma dose de algum sentimento sem nome, um tanto de vontade de voltar e amor.
Mas quer saber? O amor às vezes falha, falta, deixa lacunas. É isso: o amor deixa lacunas impossíveis de preencher. O amor às vezes dá um passo em falso, abandona, sai de cena abruptamente. O amor às vezes não consegue segurar a mão forte e permanecer. É isso: o amor nem sempre permanece. 
Eu não quero que você perca a fé. Só quero que entenda que nada vai voltar a ser como era antes. E como isso dói. É uma dor funda, que remexe as sensações, que quase ofusca as lembranças, que sacode todos os momentos vividos, que grita pela volta, que implora pela calma. Ah, se a gente tivesse o dom da transformação. Se a gente conseguisse tirar a mágoa, a dor, a raiva, a revolta, a briga, a palavra que entalou na garganta, o sofrimento silencioso, a separação. Ah, se a gente pudesse riscar tudo o que passou e escrever uma nova história. Mas eu não posso, você não pode. E só nos resta esperar e torcer para que tudo fique, de alguma forma, bem. 
Clarissa Corrêa 

0 permitiram-se:

Postar um comentário

Entrem e fiquem avontade!
Coloquem aqui os seus devaneios e confissões...
BeijinhO,
Tami

 
©Suzanne Woolcott sw3740 Tema diseñado por: compartidisimo