“(...) Acho que conseguiria, se apenas soubesse como começar, pois vejam, tanta coisas estranhas tinham acontecido nas últimas horas que Alice começava a pensar que bem poucas coisas eram realmente impossíveis.
Como tudo é esquisito hoje! E ontem tudo era exatamente como de costume. Será que fui eu que mudei à noite? Deixe-me pensar: Eu era a mesma quando me levantei hoje de manhã? Estou quase achando que posso me lembrar de me sentir um pouco diferente. Mas, se eu não sou a mesma, a próxima pergunta é: Quem é que eu sou? Ah, essa é a grande charada.”
CARROLL, Lewis. Alice no país das maravilhas. Porto Alegre: L&PM, 2007.

0 permitiram-se:

Postar um comentário

Entrem e fiquem avontade!
Coloquem aqui os seus devaneios e confissões...
BeijinhO,
Tami

 
©Suzanne Woolcott sw3740 Tema diseñado por: compartidisimo