Ando em plena confusão...
Há dias que nada sinto, pés no chão, simplesmente sigo ( se bem que isso tem sido tão raro, meus pés já não cabem nesse “curto espaço de (não) amar”, querem voar... mas eu não quero! Porque sou assim mesmo, pura contradição, enquanto os sentimentos me re(viram) por dentro, eu só queria nada sentir... seguir apenas, mas não, ando mais naqueles outros dias(todos...!) em que sou toda sentimento, inteira coração...
A verdade é que ultimamente ando sentindo muita saudade...Saudade daquelas que te arranca da terra pela raiz e te joga inteira na tempestade.Você fica ali bem no meio do furacão, no centro da ventania...Tudo te toca, e te (re)vira do avesso (um carrossel de emoções, um céu de sensações... rodando, girando...). Silêncios em movimento, palavras roubadas pelo vento, alma que fala tão dentro, sussurros perdidos no tempo...
Tudo passa diante de meus olhos, tão rápido, confuso... sem rumo... Meu mundo (girando, pulsando...) dentro disso tudo. Me busco, me sondo, me procuro, não me encontro... Então corro (em vão), e choro, e chovo, e vento, e volto... Não penso! Pulso, sangro, não fujo, amo! Mas, é sempre tudo tão estranho, e de vez em quando dói tanto que me agarro a qualquer detalhe, a qualquer coisa que me faça acreditar em tudo outra vez (acreditar nessa saudade “outra”, saudade estranha, desatenta, desajeitada, desajustada, sei lá! Saudade-Silêncio-Esquisita, não grita...! Não alcança.. mas existe tal qual como a minha...). Me agarro a isso, nem procuro (des)culpas, simplesmente, tão pura e ingenuamente me agarro a uma vontade, a uma
verdade qualquer (até porque não sei se existem verdades que não se contestem...) Li certa vez (André Gonçalves, o cara escreve muito) e transcrevo: "(...)Verdade? O que é a verdade, senão uma mentira repetida e repetida e repetida até que se formem cristais de meias-certezas?(...)" Então, talvez seja isso, ou não... o que importa?
A verdade é que sinto saudade e que não consigo apenas seguir... Queria terra firme, queria poder fincar meus “pezinhos” no chão, cravá-los na terra com todas as minhas forças, eu bem que tento(queria a calmaria), mas quanto mais tento mais me sinto flutuando, me vejo “pequenininha”, rodando, girando..., e meu coração ainda lá, cada vez mais lá, no centro do furacão... Talvez seja o próprio...
(Porque em dias como esse: dessa saudade maior, dias em que nem verdades, nem mentiras existem... apenas SAUDADE! já não sei ao certo se é meu coração que se joga ao vento ou se é ele a própria ventania...)
Cris

1 permitiram-se:

Antonio José Rodrigues disse...

Depois da ventania de dúvidas, Tami, geralmente, vem a chuva de verdades que poderá limpar tudo o que estiver de mentiras. Beijos

Postar um comentário

Entrem e fiquem avontade!
Coloquem aqui os seus devaneios e confissões...
BeijinhO,
Tami

 
©Suzanne Woolcott sw3740 Tema diseñado por: compartidisimo